2+2=1

Estava perdidamente apaixonada por dois homens diferentes. E não poderia haver dois homens diferentes mais diferentes um do outro como eles dois no mundo. Se por um temia o encontro por receio e insegurança o outro só a fazia sonhar e sentir borboletas no estômago. Se por um se preocupava e sentia falta e se divertia com a cumplicidade bem humorada enquanto não se sentia totalmente a vontade por não estar sempre feliz sentia que com o outro estaria sempre tudo bem por ele ter sempre o controle da situação lhe protegendo e guiando. Gostava de ser conduzida.

A verdade é que queria tudo. E os dois são tudo o que ela não era e, em sua estranha mania de se conter em mil lances infinitos de mil faces outras daquela que se revela, pertencia aos dois e só deles poderia ser porque não há vida longe daqueles por quem amanhecia e anoitecia.

Sentia que um deles amava qualquer coisa que tinha que parecia deixar tudo mais simples, enquanto o outro lhe admirava a inconstância e para ela queria representar o peito onde ela se encostaria com a filha enquanto lhe acarinhava as ondas castanhas de seus cabelos. Um lhe deixava ter controle total de sua vida o outro lhe conduzia rumo à felicidade. “Gosto de ser mandada…” pensou com um sorriso sacana enquanto se escondia de um para estar com outro. Por vezes chegou a duvidar de seu próprio sentimento e se recusou a responder recados na secretária eletrônica. Queria e não queria. Sabia que era errado mesmo não havendo oficialidade em nenhuma das relações. Não queria ferir ou enganar seu próprio instinto e seu instinto lhe dizia que era os dois a quem amava.

Queria a alegria descontraída e inteligente de um e o outro lhe parecia irresistível de boxer preta; se um lhe forçava a tomar decisões por ser um homem e querer que ela fosse mulher, o outro lhe conduzia por onde julgasse mais apaixonado para ela, pois ela era a sua princesa.

No jogo em que um homem ótimo ama uma mulher que não ama ninguém só ela ganha. Ser amada é um presente. Amar também. E não é dado a todos. Quando se é uma mulher que ama dois homens e por eles é amada o problema é maior. Estados monogâmicos por vezes me irritam. Nem ela se permitiria ter os dois. Digo ter porque já pertencia aos dois e não imaginava sua figura livre destituída de qualquer deles.

Quando se é uma mulher que ama dois homens e não se permite liberar aqueles instintos mais profundos de qualquer amor maior somente ela perde. Por sentir que engana os dois sem enganar ninguém. Por amar os dois sem ter nenhum. Por saber que precisa escolher e ter certeza de que não amará menos nenhum deles. Por ser inteira, completa, serena e plena por se saber pertencer aos dois exatamente na mesma proporção. Por saber que escolhendo qualquer deles não será novamente plena e ainda assim amar os dois.

13 ideias sobre “2+2=1

  1. Certamente o que me atrai é a velha máxima de: “tudo que é proibido é mais gostoso”.
    Sempre duvidei dessa concepção, mas hoje… depois de viver dias tão comuns… resolvi apelar para o inimaginável e até agora está dando certo.
    Certamente a história do 2+2=1 tem uma justificativa célebre. A pessoa mais o “um” é igual a 2… essa outra pessoa mais o “outro” também é igual a 2… mas 2+2= 1 vida…
    Não se pode cortar essa duplicidade de sentimentos… porque… no cálculo matemático desse amor… 1+1= 0,5…
    Se a escolha é difícil… talvez nenhum dos dois lhe complete…
    Das duas uma… ou você fica com os dois… ou fica com nenhum… Na verdade essa é a sequência lógica… primeiro você fica com os dois, depois um descobre… logo depois o outro, aí nenhum dos dois aceita, e você fica só…
    Trágico, porém cômico…
    Situação normalíssima, porque o mundo se torna cada vez mais recombinante…
    E disse tudo se pode concluir que:
    UM HOMEM NUNCA IRÁ CONSEGUIR COMPLETAR UMA MULHER… Será?!?

  2. Guiga!
    nem sei o que escrever, mas poucas coisas me tocaram como esse texto.
    Talvez só um certo banho de chuva antes de ver o predador.Cada vez que entro aqui me vejo de novo encantado com qualquer coisa e não consigo não ler, não saber.Genial.Sem mais.
    beijo

  3. Olá Anna, cheguei por acaso aqui e adorei seus textos, li todos.
    É de uma poesia impressinante e, se você faz isso num espaço que você classifica como público, fico a imaginar o que faria nos outros dois blogs em que escreve.
    Fiquei curioso.
    Parabéns pelo blog e espero que a sua fonte de inspiração seja sortuda o suficiente para ter textos assim em sua homenagem.
    Beijos e abraços
    Luiz

  4. Não acho que poesia seja uma boa definição para o brilhantismo do texto.Poesias são palavras simples e o texto é complexo.O texto é uma melodia.Complexa como uma música.Suave como um jazz.Novas linhas regadas a Chico Buarque.Confesso que começo a querer saber quem é a autora.O que se esconde atrás do nome anna e também o que ela esconde do mundo em outros blogs anonimos onde a falta de censura lhe permite lançar-se em voos mais ousados.
    A presença do amor passional emcada linha só mefaz entender que se trata de alguém que ama muito sim.E ama tudo em suas infinitas possibilidades.E que sabe que é preciso entender um pequeno raio de luzdo sol pra saber amar.Espero que esse “eleito” tenha noção ainda que vaga do quanto ele tem sorte de ter encontrado alguém tão deliciosamente encantadora quanto essa Anna que assina o texto.E se ele não tiver…Bem, se ele não fizer as honras eu não me incomodaria de ser seu substituto.
    Parabéns Anna.

  5. Queridaaaaaaaaa…..eu acho que vc naum quer abrir mão pra concorrência….aí fica nessa de querer tudo!!!!

    “Quero mais
    Quero mais
    É tão simples abusar do meu espírito ingênuo
    Já passaram mil romances, caravanas, sentimentos
    Desarvorados
    Num tempo sublime
    Do verbo amar.
    Amarei aquele que chegou
    Pra não partir jamais
    Partiu
    Agora eu quero mais”

    Hahahahahaha
    ;D

    :*’s

  6. Chelinha queriiiiiiiiiiiidaaaaaa!
    hauhuahuahuahuahuahuahuahu

    Amo muito tudo isso!
    o/
    Mas o texto é historinha de Trancoso… liberdade poética, garanto, ou será que não?
    hauuahuahuhauhuahuaha

  7. Vala!!!
    eu tava nessa tb…
    quem ganhou foi um terceiro q não tinha entrado na história ainda.Mais gato que os outros dois juntos, dei né amiga?
    Claro

    ps.Todo mundo quer saber seu blog anônimo né?Tô tão feliz que eu sei!!!!
    Beijo amiga, e arroche os dois.Adispois vc ve quem tem a melhor pegada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *