Monica Bellucci, hã?!

Publicado em Idiossincrasias

Esse post tem o único propósito de contar vantagem. Rafael achou um site que diz com que celebridade você se parece e colocou a minha foto. Pasmem. Eu sou 71% parecida com ninguém mais ninguém menos que Mônica Bellucci!
Eu acho a Bellucci é uma das mulheres mais lindas do mundo, mesmo. Feliz demais que existe um site que é sem noção a ponto de achar que pareço com ela e estou bem feliz, obrigada, que teve gente (amigos, com certeza) que achou que as minhas fotos realmente têm um Q de Bellucci.
Além da bonita aí do lado, também me achou parecida com a Hillary Duff (heim?), com a Lucy Liu(O.o) e com a Cyndi alguma coisa, mas, como ninguém concordou, achei melhor não contar vantagem disso também.
O site que diz com quem você é o My Heritage, se bem me lembro, mas fico devendo uma confirmação, que virá, não se preocupem. Por ora fiquem aí olhando as fotos da bonita, linda né?
E 71%?!?!?!Adorei isso. Tem até gente me chamando de Mony!!!! (Valeu Maurício)

A trilha sonora hoje é por conta de Snow Patrol – Open Your Eyes.

A casa do poste

Publicado em Contos

Água. Salsa.
Pedra. Saia. Saída de praia.
Música. Poesia declamada e pipoca doce. Chilito, eca.
Sorriso. Verdades. Nuggets com queijo.
Lua. Mar. Onda e areia. Havaianas de correia partida. Bandeirinha.
Sol nascendo. Luz neon.
Péssimo humor. Vinho barato.
Liberdade…. Los Hermanos.
Bobagens. Acaso.
Amigos, os melhores.
Madrugada.
Estrelas. Próximo instante…. quase lá.
O melhor humor do mundo. Filmes B.
Bala de canela, sei lá. Arco-íris de mil cores extras.
é como se não tivesse mais nada depois disso.
E se tiver, é muito maior que isso. Mas… Isso o que?
O próximo instante?

O que vem depois da felicidade? Ou em complemento a ela?

Depois do vinho

Publicado em Contos
Um dia me pediram pra me definir. Clássica pergunta idiota se você não tiver um divã e receber pra ouvir os problemas alheios. Dei um sorrisinho de lado e mudei de assunto. Definir-se é limitar-se, nunca gostei de nada me amarrando, ilimitada mesmo. E daí? O tempo que se leva pra se definir se pode usar fazendo qualquer coisa útil como estudar, trabalhar, comprar roupa nova e baixar música.
Vinho e mesa de frios em reunião de reencontro de amigos, aquele amigo que te viu crescer te olha e diz que você é controversa. Como assim controversa? Você vara madrugadas acordada ouvindo Marisa Monte e Maroon 5. Lê Caras e Bravo! e muda de humor com facilidade sem deixar ninguém se aborrecer. Salto alto e pés descalços, complexa em si mesmo. Atenta no estranho prazer de se apaixonar pelo mundo…
Só eu bebi demais?
….
Ps. Agora você pode baixar a trilha sonora do post clicando no título do texto. Pra começar, Harvey Danger – Flagpole Sitta.

Moça da tornozeleira de Lua

Publicado em Contos
Ela tinha a lua no tornozelo. E a lua do tornozelo dela lhe fazia sentir as ondas, lembrar do mar. E ela sorria enquanto caminhava em câmera lenta e como num clipe de cinema, era ela que fazia ele desviar o caminho pra ver as ondas do mar de cabelos castanhos dela caminhando na beira da praia.
Foi por ela que começou a surfar, pra que ela também o olhasse e durante os melhores tubos que pegava, era na lua no tornozelo dela que pensava. Eram dela os troféus que ganhava. Não sabia onde a lua do tornozelo dela ia depois da praia, ou de onde vinha. Sabia que a lua estava no tornozelo dela e que o sorriso dela era o sol do seu dia.
Sabia que ela estudava teatro, inglês, seu nome e que queria ser médica, mas amava o balé. Sonhava em vê-la dançando mas tinha dificuldade de imaginar a moça da lua no tornozelo da praia sem os vestidos leves de saída de praia dela, sempre leves e esvoaçantes. Não havia praia sem ela e nisso passava seus dias a contemplar e esperar por ela, a lua de seu tornozelo lhe indicando o rumo a seguir.
Um dia a viu fora da praia, e ao primeiro olhar na lua do tornozelo dela, o asfalto se desfez em areia e o barulho da cidade virou ondas do mar. Foi quando entendeu que a praia que ele tanto amava, era ela quem trazia.
N.A. Fico devendo a foto da minha tornozeleira nova.