Curtas

Publicado em Cinema
>>>É, parece que Tom Hanks não desiste mesmo, o ator vai viver Robert Langdon, onde ele está absolutamente apático em O Código da Vinci, outra vez no cinema. Aparentemente a Sony resolveu desenterrar o projeto da versão para as telonas de Anjos e Demônios, o início das aventuras do professor Langdon que não fez o mesmo sucesso que o Código. A idéia era começar a rodar no começo desse ano, mas a greve dos roteiristas adiou o projeto novamente. O longa conta com a mesma direção de Ron Howard e existem negociações para que Ewan McGregor (Big Fish, Moulin Rouge) esteja no elenco. De minha parte espero sinceramente que dê certo: o Hanks consiga exprimir alguma emoção como Langdon porque eu sou particularmente fã do cara desde aqueles filmes constrangedores dos anos 80; e, além disso, eu também sou simpatizante declarada do McGregor e nem vi Moulin Rouge.
>>>Ta, eu sei que prometi não falar de música. E sei que prometi ser menos malvada. Mas, zapeando pela internet, me mandaram esse desenho feito nos anos 50 da suposta mulher mais feia do mundo, e eu vi e achei feia. Aí surge o comentário “é ou não é a CARA da Amy?” É, até que é parecida, mas o desenho tem dentes demais pra ser a Amy.


Fonte: Omedi

Falcão Maltês

Publicado em Cinema

Que eu sou cruelmente apaixonada pelo ar cínico do Bogart não é novidade nem pra quem não me conhece. E queria inaugurar a nova tendência do blog com alguma coisa que fosse importante pra mim, daí o Bogart, mas não queria falar de Casablanca porque eu estou sem DVD, é triste, eu sei, e pra falar de Casablanca eu preciso ver e fazer milhares de anotações porque é um filme muito especial pra mim.
Mas, eu amo o Bogart, apesar de morar numa cidade que não facilite a minha vida, e queria falar de algum outro filme que ele fez e que eu adoro a ponto de descontrole. Vamos a ele:
Falcão Maltês (Maltese Falcon, The, 1941) é o filme que inaugurou o cinema noir (mundo obscuro de corrupção mostrado por Hollywood nas décadas de 40 e 50 onde os heróis são tipos difíceis, e cheios de tomadas noturnas tanto internas quanto externas), e é de suma importância no cinema por ter inspirado uma porrada de outros filmes no mesmo gênero.
O filme se passa com a linda moça (Mary Astor) procura o detetive Spade para que ele localize um homem perigoso com quem ela se envolveu. Depois disso, ele perde o parceiro e a verdadeira trama aparece, várias personagens em busca do Falcão Maltês, falcão de ouro incrustado de pedras preciosas feito pelos habitantes da Ilha de Malta muito tempo atrás com o qual todos tiveram em mãos e ninguém sabe onde está.
O filme ganhou um espaço imenso ate em desenhos animados, lembra aquela cena clássica de uma mulher lindíssima e misteriosa que entra no escritório de um detetive particular e ele se envolve na história dela e começa a descobrir coisas muito mais obscuras que a história que ela contou. No filme, que é a terceira versão do romance de Dashiell Hammett – as outras foram fracassos retumbantes – o clima de mistério e suspense se desenvolve a medida que novas pistas vão sendo encontradas e cada vez menos pessoas são confiáveis para o detetive Samuel Spade (Bogart).
Eu gosto do filme, acho particularmente bem trabalhado. Não se perde o clima de suspense, seja pela trilha sonora impecável – quase um personagem de tão presente e sem apelar para os agudos chatos do cinema do gênero atual-, seja pelas tomadas obscuras ou pelo roteiro primoroso, apesar de se desenrolar lentamente e ter um início e um tanto monótono – desconfio que pela fusão dos três – o filme não deixa a peteca cair e os personagens permanecem interessantes à medida que os mistérios iniciais são solucionados e novos problemas surgem enquanto a trama se encaminha rumo ao final surpreendente.
Ah! Em Falcão Maltês também tem um artifício que é bem comum nos filmes da época e que eu realmente adoro: uma interpretação um tanto exagerada, forçada, que deixa algumas expressões faciais um tanto caricatas. Acredito que devido à falta de recursos de cena que temos hoje, mas sem dúvida é exatamente esse exagero que deixou a cena em que o escritório de Spade é invadido e ele é rendido realmente interessante.