Formatura… blargh

Marcaram uma reunião pra me desacatar, como eu não pude responder na hora e o blog é meu, exponho um email que eu acabei de enviar para a cumissaum de formatura[bb].

Já que quem discorda da Comissão só tem voz por email, segue outro sobre as minhas opiniões, dúvidas e sugestões, dado que não me foi permitido falar na Reunião do Ataque – que jamais teria se realizado se eu e João não tivéssemos questionado coisas de modo coletivo em razão de protestos discretos e mais civilizados nunca terem sido levados em conta – pra Raísa me considerar ainda menos.
Quanto aos ataques pessoais:

Na Reunião, Joaninha – nome falso, lógico- informou que não terá mais consideração (sic!) para com a minha pessoa e mostrou o que me pareceu falta de postura acadêmica e sociabilidade baixa.
Quanto à conduta dela de não me considerar, seja lá o que isso signifique, não entrarei em discussão, dado que é uma faculdade dela gostar ou não de quem quer que seja e não me afeta ou diminui qualquer decisão dessa monta da parte dela, ademais, não entendi a colocação pessoal numa pauta de grupo, mas isso se explicou com o fluxo da reunião, mas certas coisas merecem resposta.

a) Ela falou em um problema “Comissão x Anna Ingrid”:

Não estou capitaneando qualquer confusão ou discórdia. Mas estou pagando o mesmo valor que qualquer pessoa da sala e não acho que seja justo que eu não possa me manifestar quanto aos trâmites de organização de uma Formatura[bb] que também é minha. Os emails que eu mandei com críticas, em sua maioria, continham também sugestões e não me furtei de participar qualquer reunião ou executar qualquer tarefa a mim designada. Inclusive a tarefa de entregar o ofício do Prof. Marcos, que eu nem sabia que tinha me prontificado de fazer até que o ofício chegou a mim, mas estou tentando localizar.
Minha natureza é pacífica e não tenho no meu histórico uma só confusão onde tenha sequer levantado a voz. Qualquer atitude que diminua outra pessoa como convocar uma reunião com a intenção óbvia de atacar alguém presente sem lhe dar chance de resposta, dado que quando eu fui falar Joazinho não me deixou e a própria Joaninha me interrompeu quando eu tomei a palavra por minha conta e os ausentes.
Acredito que sempre se deve conviver do melhor modo possível, e nisso tenho me baseado, cinco anos passados de testemunho mudo do que digo. Sempre fui razoável, ponderada e, sobretudo, verdadeira. Todavia, aprendi que quem fala demais sobre convicções próprias não tem intenção legítima de ouvir alheias, e parece ser esse o caso.
No meu email, não tive intenção de ofender, nem no coletivo e nem no particular a Joaninha, que ainda lhe dói, tanto que não ataquei a pessoa dela, em nenhum dos dois, ataquei a conduta. No primeiro, ela falava da dificuldade de DECIDIR por um grupo, e respondi dizendo que ela não tinha que decidir, e que votasse, em reunião previamente agendada, todas as decisões tomadas porque envolvia uma turma e esta devia ser soberana. Vale dizer, que só algumas votações foram feitas, outras foram decididas internamente, tais como o livro de ouro[bb], que a própria Joaninha me disse ter custado R$ 140,00 no dia em que eu os acompanhei a uma reunião com a Máster, no carro de Leonardo, com ela, Kassinely, Lívia e o próprio Leonardo lá dentro. Sabe-se que o livro custou apenas quarenta reais, o que eu não entendo, é a conversa dúbia e a razão de não ter sido votada a necessidade de um livro de ouro tão caro até pra ser de ouro.
São, todavia, águas passadas e não têm mais relevância a discussão. O que precisa ser dito é que a Comissão precisa deixar problemas pessoais de lado ante a execução de um projeto comum. Não tenho intenção e nem nunca tive de ser inimiga da Comissão de Formatura nem de Joaninha ou Joaõzinho, como nunca o fui de ninguém da sala. Ao contrário, meus atritos lá dentro sempre foram muito poucos e jamais desacatei ninguém.
Porém, vale ser dito que é absolutamente irrelevante se eu sou bem ou mal quista pela Comissão, como também o é se a Comissão me é preciosa ou não. São problemas de outra monta que não têm cabimento aqui dentro.
Sempre que eu discordar de alguma coisa não votada eu irei me manifestar sim, gostem ou não, não em reunião, por não me terem permitido a desforra dos ataques diretos e indiretos, mas pelo meio que eu acreditar mais conveniente. É a hora de ser adulto e aprender a separar amizade de responsabilidades.
Não tinha intenção que qualquer da comissão abandonasse a vida e fosse viver de organização de eventos, e em nenhum momento eu disse isso, só que deviam esperar mais trabalho, dado que são Comissão.
Sugiro que problemas pessoais sejam resolvidos pessoalmente, dado que uma reunião coletiva é um lugar RIDÍCULO pra lavar roupa suja. Além de feio e profundamente deselegante, volto a dizer, é a minha modesta opinião. Cabe discordância, venha de onde vier. Não estou pedindo pra sermos todos amiguinhos, estou dizendo para sermos todos adultos. Se eu sou formanda e vcs são Comissão de formatura a convivência é inevitável.

Da empresa:

Fui a um evento da Empresa e observei alguns problemas. Soube de outro conversando com formando, e teria levado isso a reunião se alguém tivesse me dado a oportunidade. Como não foi o caso, seguem aqui minhas observações:
a) A festa foi ótima. A decoração estava linda, e a descida dos formandos se deu sem maiores problemas visíveis. A banda foi ótima e tocou até pouco depois das 4h, como foi dito pela comissão. Porém, certos eventos menores se deram e os exponho porque eu estava lá e não tenho intenção de ter uma festa ruim. Ao contrário do que se pense:
– Quando eu cheguei, não havia na mesa da formanda que me convidou, cadeiras para que eu sentasse. A razão disso me foge, a dona disse que suspeitava que crianças estivessem ocupando, mas não havia crianças na mesa, aliás, tinha, uma criança que aparentava ter seus 8 anos e eu precisava de duas cadeiras. Seja como for, a solução se deu cerca de meia hora depois;
– Havia um DJ que tocaria na boate do Requinte[bb], tal como haveria, não se sabe, para nós. Fato é, que 4:40 da manha ainda não havia começado. Miguel tava lá e não me deixa mentir. Começou só depois de reclamação.
– A organização do evento, seja comissão, seja empresa, não sei quem é responsável pela disposição das mesas, colocou uma formanda em local mais afastado, no canto da parede, pouco iluminado, e foi pedido, sob prantos da formanda, que fosse colocado no local da mesa dos professores, em local mais aprazível e só depois de muita polêmica, foi sanado o problema.
– O frango do jantar estava frio e o arroz e a salada não estavam bons. Após alguns momentos, a salada foi substituída por uma outra bem melhor. Vale dizer, todavia, que o jantar ficou a disposição de quem fome tivesse até as quatro da manhã.

3 . Sempre que eu tive alguma reclamação a fazer, como tive das fotos minhas que eu não gostei, procurei a Comissão, que resolveu o problema de João mas não o meu e nós dois reclamamos. Minha situação, como fica?

Volto a dizer: não sei a razão de haver entre alguns membros da comissão a idéia fantasiosa de que eu pretendo tornar tudo mais dificultoso, não é verdade. E acredito que ninguém da sala, que paga caro pelo serviço, nem a empresa contratada, que vive disso, têm a intenção de fazer um evento ruim. Também acho que as idéias devem se juntar em prol do melhor evento e é sinceramente ridículo, obtuso, patético e absurdo que alguém em sã consciência realmente acredite que eu pretendo fazer um investimento de três mil reais numa coisa e que trabalhe para que não preste.
Tem que rir.

5 ideias sobre “Formatura… blargh

  1. Ai.. eu n tenho estrutura pra lidar com muita gente pagando muito caro. Já decidi desde que eu nasci que nunca vou participar de formatura. Compro a senha, encho a cara de champanhe e whisky, e pronto. Eis a minha contribuição. ehhehehe

    Mas acho um absurdo vc tornar uma carta indignada, que deveria deixar a comissão louca, um texto literário respeitável. Agora eles devem ter até curtido. =T

    😉

  2. Três observações:

    Primeiro: Por isso que eu quis fazer uma faculdade com turmas menores e com muito menos gente se formando…

    Segundo: Por isso que eu escolhi um curso onde todo mundo é bêbado e parceiro de tomar uma gelada no boteco da esquina antes das provas, onde ninguém quer aparecer mais que os outros e ninguém tem essa necessidade de -desculpa o termo- advogadozinho de merda de se sentir superior até quando ta se cagando

    Terceiro: por isso que eu fiz parte da comissão de formatura… apesar de sermos poucos e todos amigos, tínhamos divergências e a opinião da comissão era sempre levada mais em conta…

    BEijos
    MEder

  3. É impossível agradar a todos essa questão de organização de formaturas. Vocês têm o direito de acompanhar o processo de feitura de mapas e talz… agora assim, exponha suas idéias. Se o problema é elas serem ouvidas, continue a expor, mas se o “problema” é questão democrática, não adianta ficar batendo na mesma tecla se só você tem aquela opinião. Mas disso você sabe. Da festa, no geral eu gostei, mas não tive tempo de aproveitar – passou muito rápido! ^.^

  4. Arrependo-me até hoje de não fazer parte da comissao, mas mesmo assim acho que nao teria muito futuro uma vez que eu seria sempre voto vencido em meio a uma unanimidade burra composta de alunos de Administração metidos a besta querendo fazer media pra pagar de rico e desembolsar 2.100,00 pra ter uma festa cheia de futricagens caras, ruins e sem proposito. Acabei desistindo da festa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *