Tempo fora, crepúsculo, planos e qualquer coisa

Essa coisa de estudar pra concurso anda me embotando o cérebro. Todas essas leis, modos particulares de vida e dedicação a um futuro que eu passei tempo demais querendo e absurdamente dedicada, mas que não chegava nunca me fez ter saudade de coisas simples que eu sempre gostei muito de fazer e que a vida de concurseira jamais permitiu com a mesma frequência.
Eu ando vendo mudanças em mim nos últimos tempos. Saudáveis sim. Boas, sim. Bem vindas, sim. Tenho encontrado uma paciência que eu não achei que tinha pra continuar estudando. Uma paixão descabida e descontrolada por esmaltes – motivadas pelo fato de eu ter unhas fabulosas – maquiagem e meu cabelo. Também resolvi ouvir os conselhos do Pedro Bial e bem, aumentar pra 98 o fator de proteção do meu bloqueador solar.
Encontrar paciência é uma coisa que realmente me faz bem. E eu, que não tenho la muita paciência nem respeito por gente que define a vida pelo sucesso de um romance – leia sucesso num romance como ter um, simplesmente, seja realmente bom ou ruim – li a saga Crepúsculo.
É. Não me apedrejem. Eu fui desafiada. A minha priminha Nalú me desafiou a ler a saga pra poder depois escolher um livro pra ela ler. E eu super acho que dá pra ler coisas pra a faixa dos 13-16 anos sem ser ridiculamente idiota ou melosamente romântico-panaca como a saga Crepúsculo.
E então eu li a historinha pseudo-gótica do vampiro sem dignidade, uma menina sem personalidade que é um monte de coisa que eu realmente não aprecio e um lobisomem delicinha. E ler Crepúsculo me fez observar uma falta miserável que boa literatura anda fazendo na minha vida. Não que eu não tenha lido nada válido como literatura esse ano, eu li. Mas emendei os quatro em uma semana. É muita coisa melodramática pra processar. Normalmente eu intercalo um livro raso com um mais denso e me mantenho ciente do que anda pop sem deixar que a literatura consumista me faça esquecer do que preenche minha massa cinzenta com coisas que me fazem ser chamada de nerd por aí.
Um dia eu acordei e percebi que tinha crescido muito pra certas coisas e deixei de me preocupar com elas, e coroando o que a minha mãe anda chamando de minha ‘fase lilás’, cortei o cabelo, comprei novos óculos diferentes dos que usei até hoje e ando regularmente anotando pensamentos postáveis que ando tendo, mas que a vida não anda deixando postar por aqui com mais frequência.
E tenho alguns bons projetos pro blog, tudo anda muito mais sério comigo esses dias. De mais a mais, posso adiantar que to querendo criar algumas colunas aqui sobre preferencias minhas em diversos seguimentos, como livros, séries, filmes, maquiagem, gastronomia e qualquer coisa que me pareça interessante. Como eu falei em alguns posts atrás, frequência no blog é sim uma meta e nem por ser frequente quero que tenha menos a minha cara ou que seja menos interessante. Quero tudo do meu jeitinho, com a minha cara, de qualidade, perfeitamente zelado e com esse jeito insone de ser. Tá, podia ser menos insone, né?
Posso adiantar que meus vinte e cinco anos estão indo muito bem. Nunca fui tão bonita, tão segura de mim, tão feliz com as minhas escolhas e tão aberta ao meu futuro que começou antes de eu nascer, como o de todo mundo. E essa sensação de que eu sou capaz de superar os perrengues todos, continua aqui e nada anda me fazendo sorrir menos.
Então é isso, esse tempo que passei fora do blog virei uma maníaca por coisas de menina e ando super mulherzinha. E ando feliz, espero que vocês também. E cabelo novo, livros novos – ainda que ruins- hábitos novos, enfim… o novo, faz parte do processo de virar quem você quer ser e faz um bem danado, como tudo aí do post anterior. Faz bem.

6 ideias sobre “Tempo fora, crepúsculo, planos e qualquer coisa

  1. Parece que alguém aqui está transitando para o mundo real e gelado.
    Você deixa isso parecer agradável. Eu gosto de ler desse jeito.

    Parece uma história concatenada mas totalmente despojada.

    Estive sumido, mas me lembrei da graça toda.

  2. Manola (que gíria brega), esse lance de se cuidar te fez muito bem, vc tá me parecendo tão mais leve e menos neurada… o único contra é… tipo… não tem contra! é delícia ficar linda hahahe :B

    bjosdeimpala

  3. Você anda mais leve mesmo, mais solta. Tá mais linda, mais gatinha, mais dando vontade de ter perto.
    E continuo achando um crime hediondo você não gostar de jujubas.

  4. SIM SIM SIIIIMMMMM!!!! VIRAMOS MULHERZINHAS, VIADINHAS E TUDO!
    Ninguém além de você poderia ter dito tudo o que tenho sentido com tanta propriedade, exceto por ter lido a saga Crepúsculo. Não consigo.
    No mais, muita saudade. Volte logo. Eu quero que sejamos boêmias algum dia… mas tá difícil, né, Guiga?
    Quero ver seus esmaltes. Depois te mostro o Paparazzo e o verdinho que esqueci o nome.
    Bjos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *