Quando os heróis não morrem de overdose

Esperar o show do Guns n’ Roses. E eu gostava do Guns quando eu tinha 15 anos. E pra quem viveu pra ver Plutão ser planeta, entende a importancia disso. Eu era fã como hoje se é fã do Restart, salvo que dos Restarts da vida nos meus 15 anos tinham mais dignidade.
E eu era fã mesmo. Eu sabia tudo da vida do Axl e ainda assinava Anna Ingrid Rose nas provas. Fã poster na parede. Mas nunca fui idiota de achar que tudo o que ele fazia era certo, bom, justo e exemplo. Eu era fã de achar gostoso e gostar do som. Só. Sempre gostei pela música. Senti falta do Slash nos cd’s em que ele não estava. Ainda acho que ele faz uma senhora falta. Mas existem outros no mundo. Superem isso.
E eu entendo que é triste quando os heróis não morrem de overdose e ficam achando que não existe profissionalismo no rock e ficam se envergonhando publicamente e fazendo pouco dos seus sonhos revolucionários com listas de exigências de quatro laudas. Mas né? Envelhecer vai além de ficar mais velho. Ele não usa mais aqueles shortinhos, mas continua no sexo, drogas, e rock n roll.
Se você for ver, é o que costuma acontecer com os astros que não morrem de overdose. E morrer de overdose é coisa de loser. Não quero saber. Várias pessoas de quem eu gostava muito morreram de overdose e eu lamento. Envelhecer não é pra todo mundo. E tem uns que fazem bem, outros fazem mal, outros se matam (ativa ou passivamente) aos 27 anos com medo. Axl tá aí desafiando os bravos. Ah Anna, o Lenny Kravitz e o Bon Jovi tá melhor. E ai? Todo mundo que você conhece que bandeirou os quase cinquenta anos, fez isso bem? Tem barriga tanquinho? Namora super modelo? Corre maratona? Não? Imaginei.
Axl é do tempo que em que rock era mais suor. E me mata de vergonha não ter entendido que os tempos mudam e é meio papelão a pessoa não saber envelhecer. E atrasa show em mais de uma hora. E aí é aquela. Todo mundo vai curtir o show num tom saudosista, querendo muito ouvir Use Your Ilusions, mas ele deve… bem, começou o show e ele abriu com Chinese Democracy, que ninguém gostou. Guns foi ficando cover dele mesmo. Ele passou da idade do sexo drogas e rock n roll, passou a idade de ser inconsequente, mas não avisaram pra ele.
Mas é isso, e isso, que ninguém gostou, é a tentativa dele de não viver no passado. (hahaha ele ironizou dando bom dia pra a platéia, como não amar?)Não vai ter muito sucesso porque demorou uma cacetada de tempo pra ficar pronto o disco e não amarra a chuteira dos anteriores. Mas eu me senti com 15 anos de novo quando ele nos disse que fôssemos bem vindos a selva.
Até agora, não to achando o show ruim. Faz falta a juventude da sainha de escocês, faz falta a impunidade do shortinho que Carla Perez popularizou, faz falta ter 15 anos. Mas ainda é a banda que me abriu os olhos pra a música. Antes do Guns eu ouvia Backstreet boys. Lembro como se fosse hoje da sensação de cabeça explodindo pelo súbito alargamento do horizonte musical quando eu ouvi Sweet child of mine, eternamente uma das minhas músicas preferidas. Só quem conseguiu a façanha de repetir isso foi o Chico Buarque.
E Chico Buarque é aquela coisa, jamais me decepcionará porque eu ja sou grata por todas as músicas que ele cantou e escreveu sobre mim sem me conhecer. Acho que com o Axl Rose acontece uma coisa similar. Essas coisas que ele apronta, hoje, as listas de exigências absurdas infinitas, os aviões que ele não pega, os shows que ele atrasa, as modelos abaixo do peso, o mesmo microfone de 1985 que ele usa, esses colares de crucifixo, a gibeira (é, gibeira em 2011), a calça rasgada (que felizmente não é o shortinho, o que demonstra que algum senso ele conseguiu com a idade), não me fazem gostar menos ou achar que não vale a pena. Tá, não pagaria pra ver, mas se eu tivesse que pagar por algum show, ia preferir pagar pra ver o Axl do que pra ver Maroon 5.
E eu sempre vou achar que é melhor Axl Rose num show ruim do que o melhor e mais implacável show do Maroon 5. Do mesmo jeito que eu acho que uma voz grossa é melhor do que uma voz fina. Me processem.

ps. sem contar que o público que tá lá na chuva gritando o nome da banda, ta feliz com o show.

11 ideias sobre “Quando os heróis não morrem de overdose

  1. Ah sua sapatão! Adan Levine é muito mais exemplo de homem que o Axel, ele é mais gostoso do que aquele gordo e a música é melhor também

  2. Eu vi o show, só lembrei de vc com aquela camiseta preta que você tinha e do discman que vc sempre me roubava pra ouvir o live era.
    Saudade, boneca, saudade.
    Também senti falta daquelas tardes escondidas com a bandana, de quando pra ser roqueiro precisava usar preto, gibeira e aquelas correntes que o Axl ainda usa.
    E é verdade, você tem razão. Quando os heróis não morrem de overdose eles envelhecem. E não falta nunca um demente que diga que ‘se tivesse morrido a banda seria foda pra sempre’. Gente é idiota, não há o que se fazer.
    Tem que ser muito babaca pra falar uma merda dessa. Não é a minha preferida, eu cresci e superei a rebeldia dos dias de Guns, mas é preciso respeitar os caminhos que eles abriram.
    Não sei que merda é Maroon 5, mas se vc n gosta é pq não presta.
    Mas deu saudade de você.
    Doída.

    ps. Anônimo chamou VC de sapatão? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  3. Concordo com vc em quase tudo! Eu vi o show e gostei. Não como gosto de ver os shows antigos qnd ele tava na ativa, mas ao fechar meus olhos, eu pude ouvir o mesmo Axl, o Axl q realmente importa!
    Ah! E n preciso nem dizer p n ligar p certos comentários. Ser sapatão (se vc fosse) n seria vergonha. E sapatão (enrustida) é esse tipo de menininha q finge q se amarra num Adan Lavine, mas fica vendo The L Word escondida qnd tá sozinha em casa.
    E não, eu não supero a perda do Slash, rsrs.

  4. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Traduziu o que eu penso. Axl tambm foi meu ídolo de adolescencia desde que eu tinha 12 anos.
    Pô, meu hotmail ainda tem “rose” depois do meu nome kkkkkkkkkkkk (preguiça de trocar por causa dos contatos).
    Tô parada faz um tempo na de outro ruivão muito gato e mais talentoso que o AXL: o Josh Homme e sua maravilhosa Queens Of The Stone Age; não sei se vc vai gostar, mas vale tentar. É uma das poucas bandas de rock original e despretensioso livre de rótulos e fórmulas (e roupas coloridas) que ainda restam. Ficadica.

    Fazia tempo que não lia o blog. Tô com saudade do tempo que eu era uma blogueira ativa… de ler mais os blogs amigos. Infelizmente minha rotina de proletária sacrifica todo o meu tempo.

    Xeroooooooooooooo

  5. Viver para envelhecer é uma grande prova de sabedoria. Alguém ainda acha que os grandes roqueiros iriam ser os mesmos aos 60 anos? Axl envelheceu como é próprio da natureza humana e, fatalmente, suas lacunas e erros estarão mais vulneráveis com o passar dos anos. Viver e envelhecer são dádivas, mesmo que isso signifique o fim de uma imagem que mantinhamos em nossos corações e mentes. É com base no que lembrávamos que aguardamos o retorno do Guns e, por tal, a surpresa foi grande. Mas vale a experiência de ver um ídolo cantar ou representar (bem ou mal é um detalhe) ao invés de visitá-lo no túmulo.

  6. Perfeito seu texto, fiquei até 6 hrs da manhã acordada para ver esse show, e eu tinha 16 anos. Fui para a aula sem dormir e minha amiga me perguntou como eu consegui, e porque eu fiz aquilo se o show estará sempre disponível no YouTube. Acho que pelo YouTube eu não sentiria essa emoção citada por você, a de ficar esperando, ver a reação da platéia (dos comentaristas da globo hahaha)

    Mas sinto certa invejinha branca de quem vivenciou o Axl Rose em sua plena forma e o antigo Guns, como você.

    Mas para isso só me resta o YouTube.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *