Bolo de maracujá, Freakazoid e vamos ser feliz que Hoje é o aniversário do Guilherme Briggs

Publicado em Guilherme Briggs, Idiossincrasias, receitas

Quando eu era criança, eu não conseguia me ligar em coisas que meus colegas adoravam. Simplesmente não eram fascinantes o suficiente pra mim. Assim, fora os que eu gostava, que ninguém mais curtia na sala. Aí um dia apareceu um cara azul que corria engraçado e mudava de voz e tinha um amigo da polícia que dava sempre conselhos bastante sensatos e que sempre parava para passar um tempo com um amigo. Era tudo o que eu queria.
Freakazoid sempre foi o meu desenho animado preferido. E não teria sido tão bom se a dublagem não fosse tão bem feita. Aí, descobri que o Van Dame tinha a mesma voz do Freakazoid. E tinha o Eek, the cat, o Buzz, o Denzel Washington, Brendan Fraser e de repente eu tinha um jogo só meu de achar Guilherme Briggs nos meus programas. 

Todo mundo sabe que eu não acompanho muito a vida dos artistas de quem gosto. Não sei como é a cara dos músicos de mais de 90% das bandas que conheci depois de 2002. Mas Guilherme Briggs foi um dos poucos, se não for o único caso, que quando eu fiquei sabendo da vida, comecei a gostar também do Guilherme, além de só da voz e da feliz coincidência dele dublar uma porrada de gente que eu gosto em filmes que eu adoro.
Sempre atencioso, educado, gentil, Guilherme Briggs parece ser o tipo de pessoa que você conversa sorrindo de verdade, e atende todo mundo que dá com cuidado mesmo, como quem realmente gosta do contato. E eu fiquei muito muito muito feliz de ter recebido felicitações no meu aniversário dele (Valeu Jan). E hoje é o aniversário dele e eu fiz bolo. E eu queria desejar muita felicidade, muita saúde, paz, amor, tranquilidade e mais trabalhos pra ele, que o sucesso vem em consequência do trabalho bem feito que ele já faz. 
E pra comemorar o aniversário do meu dublador preferido, vamos comer bolo?
Todo mundo adora quando eu invento de fazer bolo do meu aniversário. Todo mundo = meus amigos. E eu sou mesmo muito feliz fazendo bolo, mas os de aniversário, recheados, elaborados e feios não são os meus preferidos. Gosto muito mais de um bolinho simples, gostoso, fofinho, com uma caneca de café e um livro.
Faz é tempo que eu quero testar uma receita nova, mas nenhum dos meus blogs culinários me deu uma boa ideia de bolo de maracujá – que eu tava matando por uma coisa doce e azeda – ai achei sensato apenas adaptar um bolo que eu sempre faço para o que eu tava querendo. Anotaê.
Bolo de Maracujá
2 xícaras de açúcar
1 xícara de manteiga (fria, se morar num lugar quente que nem eu)
4 ovos
3 xícaras de farinha de trigo com fermento (se for usar sem fermento, acrescente uma colherzinha de chá de fermento químico)
1 xícara de suco de maracujá concentrado
Em uma batedeira, bata o açúcar com a manteiga até virar um creme aerado e vá acrescentando os ovos um a um. Inteiros. Não, eu não estou louca. Bata bem os ovos, deixe uns cinco minutos batendo (você não quer um bolo de maracujá fedendo a ovo).
Tire da batedeira e vá incorporando a farinha de trigo delicadamente para não empelotar, alternando com o suco.
Leve a assar em forma untada e enfarinhada e forno pré-aquecido em 180° por aproximadamente 40 minutos – ou até você enfiar um macarrão cru e ele sair limpo.

Calda de maracujá
Para decorar o bolo, eu usei a polpa de dois maracujás, uma xícara de água e meia de açúcar.
Misturei e deixei no fogo baixo, sem mexer, até mais ou menos cinco minutos depois que ferveu. Despejei sobre o bolo já frio.

Ficou toda uma coisa fofinha, azedinha e doce, tudo ao mesmo tempo.