Eu te amo, Jenny Lawson

Publicado em Uncategorized

quote-knock-knock-motherfucker-jenny-lawson-50-83-10
Eu não me lembro a primeira vez em que eu tive noção do quanto eu sou estranha. Mas eu me lembro de algumas vezes em que eu percebi que tudo bem ser estranha e de outras em que eu não estava sendo a única pessoa esquisita no recinto. Eu me lembro de me sentir maravilhosa, porque, vamos e convenhamos, existe uma certa paz interior que você só conhece de verdade quando encontra outra pessoa capaz de conexões cerebrais tão absurdas quanto você.

quote-the-first-thing-i-do-when-i-come-home-is-check-the-refrigerator-for-cats-because-i-m-jenny-lawson-100-1-0139
Por causa de uma série de tretas psicológicas, eu nunca mais tinha sentido essa conexão com meus pares, porque gente é uma coisa que me dá uma exaustão imensa. Então eu tenho me tornado uma pessoa que acha gente ótimo desde que não tenha contato direto e esteja a salvo de interações.

16886a1207ff3905395021f66039d4f6
Aí um dia desses o kindle, que eu gosto de chamar de Melhor Pessoa, veio com essa sugestão de leitura: um livro com um guaxinim na capa com as mãos jogadas para o alto em um hi5 duplo empolgado e uma expressão de júbilo que não sabemos se devido a cocaína ou a uma deficiência mental que impede de entender o mundo. Fiquei imediatamente apaixonada. Baixei a amostra porque eu sou muquirana e preciso folhear o ebook antes de jogar de verdade na biblioteca. Ela começa falando sobre o primeiro livro dela e eu imediatamente parei a leitura e fui catar o primeiro. Foi quando a minha vida se transformou novamente naquele calorzinho gostoso de quando a gente descobre que não é a única pessoa que acredita que Jesus Cristo foi o primeiro zumbi.

e964b2a93785c83523d82acf436f9599
Jenny Lawson, que eu poderia chamar de minha melhor amiga mas chamo de A Mulher do Guaxinim, escreve com muita alegria sobre as coisas horríveis da vida e da mente de um ser humano com depressão E transtorno de ansiedade. E por dois livros inteiros, eu não me senti inadequada e maluca de um jeito ruim. Eu te amo, Mulher do Guaxinim.
Aí resolvi que vou dar o livro da Mulher do Guaxinim A TODO MUNDO QUE PRECISE LIDAR COMIGO E NÃO SABE COMO.
Vai ser um natal terrível pra quem não gosta de ler nessa família, mas natal é um trem meio pombo ne? Sorte é quando não é um desastre completo.

Facebook_AlucinadamenteFeliz_Pt1Mas a melhor parte é que o guaxinim existe de verdade e se chama Rory. Jenny não sabe, mas ela é minha pessoa preferida. Qualquer pessoa que batize animais empalhados e tenha animais empalhados vestidos ou posicionados de modo estranho e se vista de coala para visitar coalas na Austrália certamente é. Não que eu faça isso, mas eu entendo o apelo.