A visita cruel do tempo

Publicado em Idiossincrasias, Livros

 

A visita cruel do tempo é um livro muito bom. Depois que eu terminei de ler, não consegui sair dele. E eu sinto que vou permanecer em suspenso dentro desse livro por muito tempo e que daqui uns anos, ele ainda vai pular das minhas lembranças e me mostrar alguma coisa nova que vai me fazer querer parar tudo pra respirar fundo de olhos fechados pensando que é só um livro e que está tudo bem. Mesmo que não esteja. Especialmente se não estiver.


É um livro sobre o tempo: o tempo e nossas expectativas. Sobre como as coisas mudam, sobre como – talvez – a gente cresce. Sobre – talvez – a gente mudar. Os personagens são todos alguém que você conhece e é possível que você se reconheça em mais de um deles. Você vai ser apresentado a uma cleptomaníaca muito cativante, ao patrão dela, a ex esposa dele, ao filho, aos vícios, aos passados, a várias coisas. Mas vai perceber, em todos eles, todas as possibilidades do que poderiam ter sido e que eles mesmos esperavam ter se tornado – ainda que ficcionais. E vai olhar embasbacado o caminho deles, que levou tudo a ser daquele jeito. Exatamente como acontece em todas as vidas.

Jennifer Egan constrói uma narrativa que vai e volta senhora do tempo que é senhor de todas as coisas. E é possível se perder, mas é pouco provável. É um desses livros de não se conseguir largar ou esquecer, mas que não se esquece fácil. Egan tem uma prosa ágil, contundente e inteligente onde nada falta e nada sobra, seus personagens são fluidos e suas histórias cotidianas, que talvez você já as tenha visto repetidas vezes, possuem um apelo profundo pela ação e valor do tempo, o grande personagem de Egan.
Um livro doloroso e delicioso, sobre esperar muito ou não esperar mais; sobre reinvenções, recomeços, novos caminhos, finais. Expectativas e o que se faz com elas. E o que é feito com a gente.

E a coisa, para mim, foi tão absurda que eu tô aqui tirando a poeira desse blog.

Livros lidos em 2017

Publicado em Uncategorized

Quando 2017 começou, eu fiz uma combinação com Aíla de que eu ia ler melhor. Assinei a TAG e tudo – não consegui lidar com a inveja do livro de janeiro dela, tão lindo. – E a gente é(ra) muito bibliófila loucona mesmo. A coisa toda é que a gente preferia estar entre livros porque gente é um negócio exaustivo. Eu não consegui manter minha promessa (mas eu preciso prometer não prometer mais nada porque enfim) mas eu li várias coisas que nunca li antes ou que jamais leria. E isso era parte do desafio. Ela, claro, cumpriu todas as proposições. Eu pelo menos li um pouco melhor.

1. Outlander: a viajante do tempo. – Diana Gabaldon
Eu comecei em 2016 e larguei, recomecei e concluí numa rede em Recife e saí loucona doida pra aprender a tocar gaita de fole, pintar a cara de azul e gritar FREEDOM, escolher um tartan e achar um círculo de pedras para voltar no tempo e achar Jamie Fraser.


2. A libélula no âmbar – Diana Gabaldon
É o volume 2 de outlander, onde fica mais evidente que Jamie Fraser é a melhor pessoa do mundo real ou imaginário e as pedras em Mossoró não funcionam. Alguém sabe um app bom onde eu possa aprender gaélico escocês?

3. Outlander: o resgate no mar parte 1. Diana Gabaldon
Claire, como você é burra. E filha, como assim você esperou VINTE ANOS para saber se ele sobreviveu? Ódio. Fosse eu, ia ser a primeira providência. Vá lá que o século XX é um século melhor para ser mulher, mas gente, por favor ne? 20 anos?

4. Outlander: o resgate do mar. Parte 2. Diana Gabaldon
Frank, seu otário.
Olar, Roger.

5. Desonra – J. M. Coetzee
QUE LIVRO BOM DO CARAMBA. É aquelas coisas que você começa a folhear despretensiosamente e de repente o dia amanheceu e você está deitada na cama encarando o teto sem saber o que te atingiu. É como ver um acidente horrível acontecer de um modo tão sensacional que você não consegue desviar o olhar. Esse livro se inscreveu no meu dna. Descrevendo toscamente, é um tio da sukita que é demitido da universidade que trabalhava porque não consegue conter a crise de meia idade e se muda para a casa da filha sapatão no meio da África do Sul.
Eu te amo, Coetzee, mesmo que eu não saiba dizer seu nome.

6. A caderneta vermelha – Antoine Laurain
É um livro muito fofinho, de ambientação. Dá quase pra sentir o cheiro da comida que ele cozinha para a filha e eu tô louca de vontade de cozinhar o prato desde então.

7. O efeito Rosie – Graeme Simsion
MARAVILHOSO. Tão maravilhoso quanto o primeiro, mas mais engraçado. Quero ler até a lista de supermercado desse cara.

8. Mulher Maravilha. Terra 1. Grant Morrison, Yanick Paquette, Nathan Fairbairn, Todd Klein
Bem legal.

9. A Garota que você deixou pra trás – Jojo Moyes
Eu fui ver o que era isso que todo mundo gosta e eu não sabia. Achei inconsistente. O livro fica indo e vindo no tempo contando a história de um quadro. A parte que se passa na primeira guerra mundial é interessante, tem personagens legais, mas a parte moderna é um passar de páginas inútil que não diz absolutamente nada sobre pessoas com quem ninguém se importa.

10. Kindred spirits – Rainbow Rowell
É bem besta, não parece os outros textos que li da autora. Fiquei tão bleh que nem li carry on ainda.

11. A Câmara Sangrenta – Angela Carter
Muito legal, mas tem uns contos excelentes e uns que eu não me importei muito.

12. Os irmãos Sisters – Patrick Dewitt
Eu jamais leria esse livro se a Tag não trouxesse. Estou feliz de ter lido. Achei excelente e tô até agora louca pelo cavalo. Preciso ter um cavalo. Cavalo melhor pessoa – só que é um cavalo mesmo.

13. Até o dia em que o cão morreu – Daniel Galera
Jamais leria nada de alguém chamado Galera. E li umas entrevistas dele e achei que era um cara meio meh. Mas gostei tanto dos irmãos sisters que resolvi ler um ebook desse livro que estava no kindle e eu nunca tinha olhado. Que bom que olhei. Eu achei ótimo.

14. Aconteceu naquele verão – Stephanie Perkins e um monte de outros autores irrelevantes
Esse livro é muito, muito, muito ruim mesmo.

15. Um, dois e já – Inés Bortagaray
Quando eu era criança, acho que eu tinha uns 8 anos, minha família fez uma viagem para a praia aqui perto. Eu lembro que não chegava nunca. Lembro que meu irmão berrou no caminho. Lembro do cheiro do mar logo que eu cheguei, que eu senti antes de ver. Esse livro tem esse cheiro. Esse livro é um livro de lembrança de infância. De lembrança de família. Que livro lindo.

16. Verões Felizes – Zidrou, Jordi Lafebre
Eu estava no embalo de Um, dois e já e peguei esse quadrinho. POR FAVOR, LEIAM ESSE QUADRINHO.

17. Primeiro amor – Samuel Beckett
O inusitado olhar sobre o banal. Não se sai de um Beckett do jeito que se entrou.

18. Livro dos começos – Noemi Jaffe
Detestei.

19. Os Deixados para trás – Tom Perrotta
Esse livro me pegou bem pelo estômago. E todos os dias eu me lembro de alguma coisa dele. E ele meio que me deixou alerta para ser “deixada para trás”. Spoiler: é uma merda.

20. A Bela e a Adormecida – Neil Gaiman
Esses dias eu estava num café com Filipe e Paula e é um café onde a gente sempre vai. Só que eles colocaram umas caixas na mesa com temas para conversas e eu puxei um que era “diga três pessoas famosas de quem você gostaria de ser amigo” e eu sofri muito pra escolher três pessoas. Mas eu quero ser amiga de Neil Gaiman. E a gente ia passar muito tempo conversando e tomando chá e café e falando de como a gente tem sonho bizarro e como é maravilhoso ver Deuses Americanos na tv, ele ia ficar chateado comigo porque eu nunca li o livro só esperando a série – pra poder aproveitar as duas mídias – mas ia entender. E ele ia me apresentar pra Jenny Lawson e a gente ia ser feliz pra sempre. Todos doidos.

21. Um limite entre nós – August Wilson
Eu vi o filme com Denzel Washington e Viola Davis e achei que era uma sacanagem enorme do Oscar não criar as categorias Denzel Washington e Viola Davis porque eu sofri TANTO nesse filme que não tinha pra onde correr. Corri pra ler o livro e sofri de novo. É difícil adaptar teatro para o cinema, eu acho, mas esse foi um tiro muito, muito certeiro e foi o meu filme preferido do último Oscar.

22. Remissão de pena – Patrick Modiano
Meu primeiro Modiano, confesso que teve uma hora que as descrições me cansaram, mas é uma boa construção de ambiente. Senti o tempo todo que havia alguma coisa que eu não estava captando, mas eu li muito aflita com a piora de Aíla e preciso reler. Sinto que eu só absorvi metade do que estava lá pra mim, aconteceu com vocês isso?

23. Filomena Firmeza – Patrick Modiano
Que livro amorzinho. Eu adorei. É tão delicado e tão bonito. As ilustrações são tão lindas e o texto é tão delicioso. Um resgate de infância que eu não tive, mas Filomena Firmeza também sou eu.

24. Raul Taburim – Sempé
O ilustrador de Filomena Firmeza é Sempé. Corri pra ler mais coisas dele, e ele tem livros só dele e Raul Taburim é muito legal. É aquele livro para crianças que adulto adora.

25. Senhor Lambert – Sempé
Fofinho.

26. O homem lento – Coetzee
Coetzee é uma paulada. Um atropelamento. Ele é absolutamente sensacional. Eu li Desonra de um fôlego só. Não consegui largar. Normalmente, quando eu devoro rápido assim um livro, os detalhes e nuances começam a me escapar num tempo bem curto. Mas eu lembro de Desonra com muitos detalhes e ele ainda está em processamento na minha cabeça. O homem lento eu comecei a ler e março, quando terminei desonra, mas não conseguia avançar muito com faculdade, enem, vida. É uma leitura que eu não conseguia fazer com meio cérebro. O homem lento exige todos os órgãos vitais. Mesmo com um avançar lento, cada vez que eu pegava o livro, eu lembrava exatamente onde estava e o que havia acontecido e tudo o que eu pensava. É um desses autores que você não sabe se você está lendo ou se está numa experiência. Um dos melhores da vida.

Depois desse, eu comecei a ler um volume com todos os contos de Machado de Assis, que espero concluir esse ano; a Odisseia e umas duas ou três biografias. E uns livros de divulgação científica, que descobri serem deliciosos.

Todas as leituras desse ano, e todos os anos seguintes até o final dos meus dias, são dedicadas a Aíla Almeida Mendes. A gente sempre se encontrou nos livros e é onde eu espero reencontrar sempre com ela. Eu tinha um papel de carta que dizia “a vida é a arte do encontro”, então eu vou fazer da leitura o nosso reencontro, minha amiga. E vou ler os livros que você queria que eu lesse e os que você não conseguiu ler.

Listão dos livros 2015

Publicado em Uncategorized

tumblr_l9h5sr9Jyv1qdhfo7o1_500Em primeiro lugar, esta blogueira voltará a escrever aqui.
Em segundo, vamos lá fazer nossa tradicional lista de livrinhos lidos esse ano que terminou, felizmente.

1.    Tamanho não importa – Meg Cabot
é um livrinho de uma série da Meg, o terceiro, salvo engano. E é exatamente igual aos outros da mesma série. Podem ler deboas porque é engraçado e cheio de verdades. Adoro Heather, melhor pessoa. Muitas verdades sobre tentar fazer as coisas direito e não ceder perante a sociedade que fica só chamando ela de gorda.
2.    Vale tudo, o som e a fúria de Tim Maia – Nelson Motta
é legalzinho.
3.    Libertina – Nana Pavoulih
muito melhor que 50 tons de cinza, mas com os mesmos problemas.
4.    Chéri a Paris, um brasileiro na terra do fromage – Daniel Cariello
são crônicas sobre o tempo que o autor passou na França. É muito legal, vou procurar  mais coisas dele pra ler depois.
5.    Trilogia 50 tons de cinza – E L James
Crepúsculo softporn ridículo, mas sem vampiro brilhoso.
6.    A torre das Almas – Eduardo Spohr
é só um conto e eu nem gostei muito. Parece que falta coisas.
7.    Gorda, solteira, 30 anos, procura – Janaina Rico
Pfffffffff Foi quando eu comecei a pensar em parar de explorar as sugestões que a amazon me dá.
8.    Tamanho 42 e pronta pra arrasar – Meg Cabot
é legal também.
9.    Double Header: my life with two penises – Diphallic Dude
Esse livro fez de mim uma pessoa muito melhor. Sério. É a história real de um cara com dois pintos e todos os problemas que ele teve pra lidar com isso.
10.    O maravilhoso agora – Tim Tharp
nhé
11.    Proibida – Nana Pavoulih
melhor que 50 tons.
12.    Não sou uma dessas – Lena Dunham
é excelente. Abriu minha cabeça pra uma série de coisas sobre feminismo e padrões e ser quem se é.
13.    Marilyn Monroe and Joe Dimaggio – James Bankes
Quando eu assisti Smash, fiquei obcecada por Marilyn e saí procurando saber tudo. Apareceu esse “livro” na amazon e eu comprei, mas tem a profundidade de um pires.
14.    Ferida – Nana Pavoulih
eu queria saber o que acontecia. É a sequência de proibida.
15.    Todos os meus amigos estão mortos – Avery Monsen e Jory Jonh
esse livrinho é totalmente sensacional e maravilhoso. Eu ria tanto na livraria que fui abordada por um senhor perguntando o motivo. Humor negro da melhor qualidade.
16.    A probabilidade estatística do amor à primeira vista – Jennifer Smith
é um desses ya fofinhos sobre meninas e meninos. Achei legalzinho. O filme ia ser bem legalzinho. Meio A culpa é das estrelas, só que sem câncer.
17.    O irresistível café dos cupcakes – Mary Simses
esse é um desses livros pra ler numa sala de espera, não dá nenhum trabalho, a história é meio óbvia fofinha e não te deixa nervosa.
18.    A dieta que sempre funciona – Alfredo Halpern
um dia eu tento.
19.    A verdade é uma caverna nas montanhas negras – Neil Gaiman
Gaiman tem problemas. Ainda bem.
20.    The good luck of right now – Mathew Quick
Esse livro é sensacional. Eu sei que eu sou suspeita pra falar porque eu adoro Matthew Quick, mas é sensacional. Vou até comprar a versão em português para fins de ter todos os que saíram no Brasil, mas olha, muito amor por Bartholomew e Richard Gere.
Eu tenho um amor profundo pelos pirados de Quick.
21.    Quase uma rockstar – Mathew Quick
outro livro muito amor sobre gente quebrada. Gente que se quebra. E gente que sai dessa.
22.    A noiva é tamanho 42 – Meg Cabot
bem, ela casou.
23.    Incontrolável – Lara Smithe
não sei mais nem do que se trata.
24.    Ligações – Rainbow Rowell
Eu te amo, Arco-Iris.
25.    Ser feliz é assim – Jennifer Smith
é um desses livros fofinhos. Nem me lembrava mais também.
26.    Jazz – Luís Fernando Veríssimo
Veríssimo fala sobre jazz e dá pra ouvir a música enquanto você lê o livro.
27.    Sete anos bons – Etgar Keret
uma descoberta maravilhosa. Totalmente maravilhoso.
28.    A terra dos meninos pelados – Graciliano Ramos
uma releitura gostosa. Eu li quando criança e, depois de ler agora, ainda adoro.
29.    Isla e o final feliz – Stephanie Perkins
eu morro de vergonha, mas eu adoro esses livrinhos.
30.    A melhor coisa que nunca aconteceu na minha vida – Laura Tait
zzzzzzz
31.    Quem é você, Alasca? – John Green
gostei bastante. Bem melhor que o teorema Katherine.
32.    Simplesmente acontece – Cecília Ahern
fui ler pensando que era uma história legalzinha sobre uma moça e um rapaz que quando adultos descobrem que são apaixonados. Nhooooo, né? E até é assim, bem… mais ou menos. É um livro sobre duas pessoas que são amigos a vida toda, mas a moça só se lasca e o cara vai embora estudar medicina em Harvard. E a menina tá lá, toda lascada na vida mal conseguindo evitar o próprio afogamento. Mas ela consegue, ai quando ela finalmente consegue se livrar e superar todas os perrengues que ela teve que superar, ele chega lá pra ser lindo. “ah Anna, vai dar spoiler?”. Vai dizer que você pensou que era diferente? E digo mais, eles ficam juntos só quando ela já tá na menopausa. Blé.
33.    Uma história de amor e toc – Corey Ann Haydu
garota conhece garoto. Só que os dois têm toc. O cara é #ficagrandeporra #nopainnogain #vivaowhey  e a menina é pirada stalker. Ela acha que se não perseguir os caras coisas horríveis vão acontecer. E ela se fere. É legalzinho por ser em primeira pessoa, e dá pra entrar na cabeça da pessoa obsessiva mesmo. Comecei a me beliscar lá pela página 65, mas foi tudo.
34.    Mosquitolândia – David Arnold
Min Malone não está nada bem. Mas se sua mãe tivesse internada numa clínica psiquiátrica, seu pai tivesse te drogando contra a sua vontade porque você brincava de faz-de-conta aos 6 anos e sua madrasta tivesse grávida, você também não estaria.
35.    Perdido em Marte – Andy Weir
SENSACIONAL. Engraçado. Vejam o filme também.
36.    A vida secreta das abelhas – Sue Monk Kidd
Esse livro é necessário. Eu tenho muita coisa pra dizer dele porque ele é um livro pra pensar sobre muita coisa. E é estranho que sejam tantas coisas pra pensar e um livro tão curto. Mas ó, cês tem que ler.
37.    Frank, a Voz – James Kaplan
o primeiro volume da biografia de Frank Sinatra é espetacular. Não acho que tenha como uma biografia de Sinatra ser ruim, uma vez que o enredo é cheio de plot twist e tantos acontecimentos, mas o trabalho minucioso de Kaplan faz as páginas passarem voando.
38.    Star Wars – Academia Jedi – Jeffrey Brown
nhoooooooooooooooooim. Também quero ir pra academia Jedi.
39.    Turma da Mônica Lições – Vitor e Lu Cafaggi
tadinha da Mônica.
40.    Vá, coloque um vigia – Harper Lee
traumático. Não que seja ruim, porque não é. Mas…. POR QUE?-chora em posição fetal – não existem amendoins confeitados suficientes no mundo pra me curar da depressão de ter que ler isso.
41.    Pequena Abelha – Chris Cleave
Coisas horríveis lindamente escritas.
42.    A princesa sob os refletores – Meg Cabot
depois desses livros deprimidos e reais, a vida da princesa abestalhada foi um bálsamo.
43.    A princesa apaixonada – Meg Cabot
Agora é que ela tá abestalhada mesmo.
44.    Vivian contra o apocalipse – Katie Coyle
várias pessoas foram “arrebatadas” e ficou um pessoal aí lutando contra os fanáticos religiosos no suposto apocalipse. Engraçadinho. Desconfortável também. A pessoa fica lembrando do facebook por causa dos fanáticos religiosos.
45.    Novembro de 63 – Stephen King
ótimo. Mas aí tem aquele final bizarro. Leiam que eu quero debater.
46.    A princesa a espera – Meg Cabot
mais tretas da realeza.
47.    A princesa de rosa shocking – Meg Cabot
eu amo Grandmére.
48.    A princesa na balada – Meg Cabot
véi, na boa.
49.    A princesa em treinamento – Meg Cabot
eu odeio o JP.
50.    A princesa no limite – Meg Cabot
Eu odeio o JP. Vai Thermopolis!
51.    O presente da princesa – Meg Cabot
começo a achar que eu preciso de novos propósitos na vida.
52.    Princesa Mia – Meg Cabot
preciso mesmo.
53.    Os Conjurados – Jorge Luis Borges
não desistam de mim ainda, mas achei bem mais ou menos.
54.    Princesa para sempre – Meg Cabot
PRINCESA PARA SEMPRE OH YEEEESSSS
55.    O casamento da princesa – Meg Cabot
ela casou e tava grávida. Não precisa ter vergonha da sua prima. Eu sempre vou te amar, Fat Louie.
56.    Nova Antologia poética – Vinícius de Morais
Eu não gosto muito de poesia.
57.    Ídolo teen – Meg Cabot
eu prometo que em 2016 vou ler melhor.

Listão de livros lidos em 2014

Publicado em listas, Livros
  • Ano passado eu estava toda feliz que era ano novo (!) e tive a estúpida ideia de me dar uma meta (!!) sobre livros que eu leria no decorrer do conturbado 2014. A ideia original era ler os livros que eu já tinha e me dedicar aos grandes nomes que lotam prateleiras da minha estante, mas que eu não lia já tinha um tempo graças ao gosto recém adquirido por livros bobinhos despretensiosos.
    Ia começar por uma edição de As Ilhas da Corrente de Hemingway, mas essa ideia morreu logo de saída porque decidi que ia finalmente concluir os 3 capítulos que faltam pra terminar O Senhor das Moscas. Também não rolou. Eu ganhei um livro lá da segunda temporada de Percy Jackson e acabou vencendo a ideia de que leria todos os meus livros “inteligentes” quando terminasse os bobinhos.
    E ia ler um livro por semana.
    (!!!)
    Eu sabia que conseguiria. Só não achei que fosse ser tão apertado e tão questionável. No meio do processo eu peguei uma gripe que se recusou a me largar e entre febre, nebulização e soro, fiquei bem dois ou quatro meses e como não consegui voltar com o mesmo ritmo, dia 21 de dezembro faltavam dez livros em dez dias e foi ótimo correr contra o tempo.
    Vamos lá mostrar o listão:
    1.    O mar de monstros – Rick Riordan
    Comecei a ler os livros de Percy Jackson porque ganhei O Herói Perdido de natal e todo mundo disse que era legal ler Percy Jackson antes, daí tava eu obcecada com mitologia grega em pleno janeiro com todo mundo na praia.
    Curti pra caramba.
    2.    A maldição do Titã – Rick Riordan
    3.    A batalha do labirinto – Rick Riordan
    4.    O último olimpiano – Rick Riordan
    Que Héstia tome conta dos nossos lares.
    5.    A canção de Aquiles – Madeline Miller
    Como eu falei, eu tava obcecada. O livro conta a história da Ilíada, só que contada por Pátroclo, o marido de Aquiles. Comprei pela capa, pelo contexto. Comecei achando chatíssimo porque eu sou um caminhoneiro e toda aquele trelelê poético tava me enchendo o saco muito mais do que curtindo. Só que eu adoro a história e teve uma hora em que o livro simplesmente me pegou e do meio pro fim eu já tinha me apaixonado por Aquiles e desapaixonado. E por Pátroclo, que eu amo até hoje, por Ulisses e até por Agamenon e por Quíron. Adorei mesmo.
    6.    Abandono – Meg Cabot
    Comprei porque tava na vibe da mitologia grega, ai comprei esse porque era baseado no mito de Perséfone. O livro é uma droga. Nem vou terminar a série. Mais fraco que caldo de bila.
    7.    Segredos de Menina – Maitena Burundarena
    Eu adoro Maitena desde Mulheres Alteradas e achei que o primeiro romance dela ia ser um ótimo modo de abrir meu apetite pra outra coisa que não fosse grego (nessa época também viciei em iogurte grego. Pois é.
    Mas a verdade é que estava de ressaca ainda da Canção de Aquiles e não consegui me ligar muito a ele por umas semanas, mas ainda bem que me liguei porque o livro é ótimo. Ela narra o cotidiano de uma adolescente na Argentina dos anos 60 e é muito bom pra ver o cenário político peronista.
    8.    Diário de um banana: Rodrick é o cara – Patrick Jeffrey
    Fiquei de castigo esperando maridon na livraria e só deus sabe o quanto eu adoro essa série.
    9.    Os últimos quartetos de Beethoven – Luis Fernando Veríssimo
    Eu sempre volto a Veríssimo porque os amores mais antigos têm sempre um jeito especial de te fazer bem. E eu adoro o Veríssimo desde que consegui mais capacidade de leitura do que Ivo Viu a Uva.
    10.    Diário de um banana: A gota d’água – Patrick Jeffrey
    Novo rolê na livraria.
    11.    Os pequenos perpétuos – Jill Thompson
    A primeira gn do ano. Eu li porque eu adoro Sandman e compro tudo o que se ligue a Neil Gaiman ainda que rapidamente. Os desenhos são fofos fofos, mesmo que de um jeito meio esquizofrênico.
    12.    Habibi – Craig Thompson
    Eu ADORO esse cara desde Retalhos, mas nada me preparou pra Habibi. É totalmente espetacular. Ele relaciona trechos da Biblia com o do Corão e eu tenho um monte de coisa pra dizer dele, mas não quero estragar a surpresa. Leiam. Sério.
    13.    Eleanor & Park – Rainbow Rowell
    Ganhei esse livrinho e comecei a ler pensando que ia ser legal pra recuperar o tempo da minha ressaca pós Canção de Aquiles. Jovem tola eu. Eleanor & Park tem a sensacional característica de ser mais e ao mesmo tempo ser o que quem lê entende que seja. Quem só quer uma bobagenzinha sobre um garoto e uma garota no ensino médio encontra, mas quem quer um draminha complexo com auto aceitação e problema sério de verdade, também encontra.
    Eu nunca pensei que ia gostar de ler alguma coisa que uma pessoa chamada ARCO ÍRIS escreve, mas olha, fiquei fã de verdade. Totalmente espetacular e vocês lendo distopia idiota.
    14.    O filho de Netuno – Rick Riordan
    Precisava saber a sequência ne?
    15.    A marca de Atena – Rick Riordan
    16.    A festa de Delirium – Jill Thompson
    A sequência dOs Pequenos Perpétuos.
    17.    Bruxos e Bruxas – James Patterson
    Fiquei muito surpresa de descobrir que James Patterson escreve livros pra jovens adultos, pensei que só escrevia coisa de detetive que lia na adolescência.
    18.    Do amor e de outros demônios – Gabriel Garcia Marquez
    O AMOR DA MINHA VIDA ESSE HOMEM, vivo dizendo isso. Aí ele morreu e eu fiquei triste arrasada desiludida da vida e comprei um monte de livro que eu não tinha dele e agora to lendo um por ano pra economizar, já que a fonte secou pra sempre.
    Mas do amor e de outros demônios é espetacular desde o princípio, com aquela apresentação que sozinha é muito melhor que vários livros inteiros bons que existem por aí.
    19.    A casa de Hades – Rick Riordan
    A essa altura eu já tava me cansando de Percy Jackson
    20.    O começo de Tudo – Robyn Schneider
    Encontrei na internet uma lista de livros pra quem curtiu “a culpa é das estrelas” e esse tava no meio, eu li e gostei. Não é nada muito espetacular não, mas é divertido.
    21.    A extraordinária viagem do faquir que ficou preso num armário Ikea – Romain Puértolas
    Comprei pelo título, afinal, vamos combinar que é o melhor título de todos os tempos. O livro é super divertido e eu ri muito com a falta de noção mas não de oportunidade do faquir que ficou preso num armário Ikea. Vale muito a pena.
    22.    Mary Poppins – P. L. Travers
    O amor. O amor.
    23.    Todo dia – David Levithan
    Esse livro aparecia na lista dos livros pra quem gostou de A culpa é das estrelas, e achei promissor porque o David Levithan escreveu um livro que deu origem a um filme que eu gosto muito: uma noite de amor e música, mas a verdade é que eu li Todo Dia e o livro é uma merda.
    24.    O Dom – James Patterson
    É a sequência de Bruxos e Bruxas. A série é fraquinha, só li porque terminava sempre tenso e eu precisava saber como acabava. É uma distopia boba, mas é melhor que umas que vi por aí.
    25.    Claros sinais de loucura – Karen Harrington
    Esse livro é uma ternurinha. A menina coleciona palavras, tem um diário secreto e morre de medo de ficar louca. É uma história muito comovente de uma pessoa que passa por um inferno a vida toda e ainda precisa se fingir de que tudo está normal e lidar com coisas adolescentes normais como dar o primeiro beijo.
    26.    O fogo – James Patterson
    A terceira parte da série dos bruxos. Parei por aqui porque achei que terminou num gancho legal e dei por encerrada a minha necessidade de saber o fim. O quarto volume se chama O Beijo, pra quem tiver interessado. Eu não estou.
    27.    Os Goonies – Steven Spielberg
    Saiu pela Darkside a versão “romance” do filme que acho que vi mais vezes na vida – e todas ótimas – e eu tinha que ler. O livro é tão bom quanto.
    28.    De repente acontece – Susane Colasanti
    Engraçadinho nhem nhem nhem blé. Mesma coisa de um monte desses livrinhos saindo agora. Sexy sem ser vulgar, mas muito bobinho.
    29.    O projeto Rosie – Graeme Simsion
    Eu ADOREI esse livro. É a história de um professor de matemática com os dois pés no autismo nunca diagnosticado que nunca teve uma namorada que cria um questionário pra encontrar a esposa ideal. O livro é escrito pela ótica do personagem e tem um humor involuntário muito bem colocado. Emprestei a minha mãe pra ler e ela disse que era o livro de Sheldon de Big Bang Theory e que não tinha paciência.  (acabei de descobrir que lançaram a sequência desse livro totalmente delicioso e já estou aguardando ansiosamente a edição em português)
    30.    A lista de Brett – Lori Nelson Spielman
    Achei esse livro muito confortável. Foi bom me deitar na rede e não ver o dia passar porque estava vendo as coisas acontecerem, ora obviamente, ora não, mas sempre muito tranquilo. Rolou até identificação pessoal minha com a personagem principal, o que é estranho, já que eu sempre amo/sou algum secundário charmoso ou não.
    31.    Fangirl – Rainbow Rowell
    EU TE AMO, ARCO IRIS ROWELL.
    32.    O menino do dedo verde – Maurice Druon
    Tava adorando, aí no final tinha um anjo e eu odiei.
    33.    Todos os meus amigos são super heróis – Andrew Kauffman
    Esse livro é muito simpático. Talvez seja o livro mais simpático de toda essa lista. Meu amigo Filipe Sena me emprestou e eu me esqueci completamente de devolver até ver o livro nessa lista. Todos os meus amigos são lindos.
    34.    Uma longa queda – Nick Hornby
    Não sei se vocês sabem, mas Nick Hornby construiu meu caráter. E esse livro é totalmente maravilhoso – mas o filme é uma droga, não vejam – e eu queria muito ter pensado em contar uma história de gente que se conhece no alto de um prédio na noite do ano novo tentando se matar. Mas, como sempre, felizmente Nick Hornby pensou primeiro. Ufa.
    35.    O céu de Lilly – Fábio Barreto
    Gosto de Fábio Barreto desde os tempos do Orkut. E ele sempre foi ótimo, seja falando de cinema, seja escrevendo conto de ficção científica.
    36.    A velha casa na colina – Fábio Barreto
    Ele também é ótimo escrevendo terror.
    37.    Anna e o beijo francês – Stephanie Perkins
    Super fofex. Tem essa menina que vai estudar em Paris e a vida dela muda. É muito fofex delicinha, não tem tanta profundidade mas é bom pra um sábado de tarde na rede.
    38.    Lola e o garoto da casa ao lado – Stephanie Perkins
    É fofex delicinha que nem Anna e o beijo francês, vou continuar lendo a autora porque tem hora que tudo o que você precisa é um livro fofex delicinha.
    39.    Dizem por aí – Ali Cronin
    É o segundo volume da série “garota <3 garoto” e meu deus que livro retardado. Eu precisei dar crédito no começo do livro por ser um livro retardado pra meninas mas que não tinha um virtuosismo sobre como a virgindade é uma coisa que se você tem, você é boa e se não tem é biscate. “o começo de tudo” também é assim. Só que a medida em que o livro avança fica uma coisa bastante clara: se você é mulher e tem uma vida sexual ativa mas não tem um parceiro fixo jamais encontrará o amor porque o cara de quem você gosta de verdade vai ficar inibido. Ou seja. ¬¬. É tipo um skins, só que bem ruim, cheio de slutshame. Não tive paciência.
    Uma merda em dose pra cavalar.
    40.    Anexos – Rainbow Rowell
    EU TE AMO MUITO ARCO ÍRIS ROWELL!!!!!!!!!!!!
    Aguardando ansiosamente todos os outros livros dela irem morar juntinhos na minha estante.
    41.    Tamanho 42 não é gorda – Meg Cabot
    Meg Cabot é muito inconsistente. Ela precisa de um filtro. Mais Heather Wells e menos seja lá o que for aquilo em “Abandono”. E olha, tamanho 46 também não é gorda.
    42.    Música de Câmara – James Joyce
    Eu ganhei esse livro de um amigo muito querido de presente de natal e foi o meu primeiro livro de poesia na vida. Olha, eu adorei. A poesia de Joyce desse livro normalmente se perde na tradução, mas nesse caso o tradutor conseguiu recriar completamente a musicalidade do original. Totalmente espetacular. Não consegui largar.
    43.    Tamanho 44 também não é gorda – Meg Cabot
    Não é mesmo.
    44.    Daqui estou vendo o amor – Carlos Drummond de Andrade
    Como era bom o menino Drummond, né?
    45.    Educação – o roteiro – Nick Hornby
    Totalmente ótimo. Vejam o filme também.
    46.    A menina do capuz vermelho e outras histórias de dar medo – Angela Carter
    Tive um ou outro pesadelo relacionado com esse livro.
    47.    O presente do meu grande amor – vários autores
    Eu comprei apenas porque tinha um conto – ótimo – de ARCO ÍRIS ROWELL e acabei gostando de muitos outros e odiando outros. O livro é tipo 70% bom e 30% entre desnecessário e idiota.
    48.    Batman: a piada mortal – Alan Moore
    O amor. O amor.
    49.    Quem poderia ser a uma hora dessas? – Lemony Snicket
    Divertidinho.
    50.    Astronauta- magnetar – Danilo Beyruth
    Eu to curtindo pra caramba essas histórias da turma da mônica escritas por outras pessoas.
    51.    Astronauta: singularidade – Danilo Beyruth
    É melhor que magnetar. Mas eu gosto muito do Astronauta.
    52.    Bravura Indômita – Charles Portis
    Eu ADOREI esse livro. Só isso que eu comentarei.
  • 53. O Sangue do Olimpo – Rick Riordan
    que esqueci de colocar, mas li também.

Cinco Livros Similares a A Culpa é das Estrelas

Publicado em Uncategorized

Estreou tem uns dez dias o filme baseado no livro de John Green, A Culpa é das Estrelas e, embora o livro já fosse um sucesso desde o lançamento, com o filme o negócio ficou sério e não tem mais quem tenha escapado de estar na sala de cinema escutando os soluços chorosos alheios ou próprios, a menos é claro, que a pessoa esteja morta por dentro.

Gente linda bebendo estrelas

Gente linda bebendo estrelas

O grande sucesso de Green é que A Culpa é das Estrelas é muito mais do que mais um romance meloso adolescente e não é sobre a importância de ter um namorado brilhoso. É sobre a importância de se ter uma vida de verdade e não só existir.

E foi inevitável a vontade de mais páginas quando terminei de ler ACEDE, então saí procurando mais coisas com a mesma vibe.

Segue a lista dos livros que entregam mais do que prometem e mais uns que já chegam prometendo mais mesmo. E entregam de forma genial.

1. Cidades de Papel – John Green
Vá lá que é o mesmo autor, mas calma que não dá pra chorar. Cidades de papel é a história de uma perda da inocência – não, fera, não é sobre um moleque perdendo a virgindade. É aquele último verão em que as coisas são como são e tudo faz sentido até que não faz mais. Os personagens são ótimos, a busca pessoal convence e é engraçado, muito engraçado.

2. Por isso a gente acabou – Daniel Handler
Esse é um livro ilustrado, o que só faz ele ser duas ou quatro vezes mais legal. Por isso a gente acabou foi o primeiro livro que eu li de Daniel Handler fora das Desventuras em Série – que é absolutamente hilário e todo mundo devia ler nem que seja pra parar de reclamar da vida no Facebook – e é uma longa carta que uma moça escreve pro ex quando eles terminam explicando, bem, o porquê de eles terem terminado. Ela faz o caminho inteiro, de quando ela vê o cara a primeira vez até o momento final e depois dele, chegando no ponto em que ela consegue finalmente se desapegar.

3. O começo de tudo – Robyn Schneider
Rola toda uma coisa fofa entre menino Ezra Faulkner e a namoradinha nova dele, a menina Cassidy. Ela é daquele jeito que toda menina precisa ser pra ser perfeitinha em livros desse tipo: linda, ruiva, estranha e cheia de personalidade. E tudo vai bem até não ir mais. E sim, deixa aquela coisinha de que amadurecer é preciso.

4. Eleanor e Park – Rainbow Rowell
Sim, eu li um livro de capa rosa escrito por uma mulher que se chama Arco-íris. Mas calma, fiquei tão surpresa quanto qualquer um que me conhece ficou. O livro é ótimo. É fofo e engraçado e tem todas aquelas fitas k7 e todas aquelas pilhas e se você tem menos de 18 anos não vai saber lidar muito bem com essa tecnologia ultrapassada que é tão importante no livro – que se passa na década de 80. Mas é um livro sobre o primeiro amor. E o primeiro amor é sempre especial. O livro também aborda com maestria alguns assuntos sérios sem perder o tom. E se você já tiver mais idade e já tiver se apaixonado por alguém que via todos os dias, vai saber exatamente do que Arco-íris está falando.

5. Segredos de Menina – Maitena Burundarena
É o romance de estreia de Maitena, que antes de escrever livros escrevia quadrinhos absolutamente geniais, e fala sobre uma menina de seus 14, 15 anos na Buenos Aires dos anos 70, quando Peron morreu e ficou aquela confusão. É engraçado e incômodo, mas vale muito a leitura.

Para quem já quer coisas um tanto mais elaboradas:

Cadê você, Bernadette? – Maria Semple
O livro de Maria Semple é deliciosamente engraçado. Bernadette um dia desaparece e a filha dela começa uma investigação para descobrir onde a mãe foi se meter e acaba numa jornada conhecendo quem é a mulher que lhe deu a vida. É uma das melhores coisas que eu li esse ano e a autora mora no meu coração pra todo o sempre amém e já morava antes de eu ler esse livro que eu adorei. Ela é roteirista de Arrested Development. Não tem nada a ver com a culpa é das estrelas, mas eu queria recomendar esse livro porque ele é ótimo.

O lado bom da vida – Mathew Quick
Eu sei que você já assistiu ao filme. Começou até a achar que Bradley Cooper bonito e tudo. Mas esqueça, o livro é muito melhor e é diferente em vários pontos fundamentais. Os loucos de Mathew Quick são sensacionais e o livro é divertido e comovente. É sobre um cara que conheceu uma garota também, só que o cara é louco e a garota já conheceu outro garoto e o cara foi internado numa clínica psiquiátrica porque ficou louco e tem ataque de violência quando escuta Kenny G. Eu sei, também acho um saco Kenny G.